Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2004

Aguardem...

Graduado em Marginalidade
Este é o título do primeiro livro do escritor Sacolinha (Alessandro Buzo no prefácio e Sérgio Vaz na poesia). Um romance que engloba variados tipos de cultura, desde a Umbanda, passando pela capoeira, o teatro e o rap.
É a tragédia exposta com conhecimento de causa, a paisagem da
periferia, tão esquecida dos nossos letrados. Um romance suburbano moderno, sem frescura, como deve ser.
Em análise na editora. Aguardem!

Divulgação

Debate sobre literatura
Tema: Uma viagem literária
Expositores: Sacolinha (Autor de “Graduado em Marginalidade”. Em análise na editora) e Carlos de Andrade (Autor de “Chuvas de Novembro”)
Onde: Comunidade Kolping do Jd. Revista – Rua Cumbica, nº.630 – Suzano – S.P
Data: 02 de Dezembro de 2004 ás 19h:00
Entrada gratuita

Dia 06/12-Segunda-feira ás 19h:00 – Lançamento da antologia “No limite da palavra” Ed. Scortecci* e Sarau Lítero Musical
*Sacolinha participa desta antologia com um conto erótico.
Local: Livraria Asabeça – Rua Deputado Lacerda Franco, 187 – Pinheiros
Obs: Pegar o metrô e descer nas Clínicas, lá embarcar no ônibus Arco Verde e descer no 3º ponto da Lacerda Franco.
Informações: fernandadesa@scortecci.com.br / (11) 30328848

Produtos Literatura no Brasil

Camisetas à venda nas cores: Preta – Branca – Bege – Amarela - Azul escura e Turquesa
Disponíveis nos modelos femininos e masculinos: P, M, G, GG.
2 modelos de desenhos
Camisa: 10,00 / 13,00
Infantil: 8,00 / 10,00
Blusa: …

Conto Ferréz

Vizinhos
(Conto inédito do escritor Ferréz)

Demorou para juntar todo o dinheiro, fiquei com um par de tênis e dois shorts. Foi muito duro comprar a casa, tive que usar camisas de atacado na Bresser, todas brancas, me custavam três reais e noventa centavos, e o mínimo que se podia comprar era de dez peças, só assim para economizar.
Não importava, eu queria mudar, a vizinhança tinha chegado no limite, depois que passei um mês inteiro seduzindo aquela morena, ela havia se deitado comigo, transamos gostoso, embora os ônibus que passavam a toda velocidade fizessem meu quarto tremer.
Mas voltando ao assunto, depois que chegamos aos finalmente, veio a decepção: assim que saí com ela do meu quarto, um vizinho barbudo (que seja amaldiçoado seu nome) nos viu e disparou:
– Hã! Tá até suado né?
Ela nunca mais olhou para minha cara.
Outra coisa que não suporto mais é que a janela do meu quarto dá de frente para quatro janelas e nessas quatro estão as piores famílias. Numa delas, uma mulher com o c…

Esclarecimento

Devido a alguns integrantes da Cooperifa não poderem estar presentes na apresentação do dia 11 de Dezembro em Suzano, a atividade foi adiada para o mês de Janeiro de 2005, logo mais, informações aqui no site.

Poesia

A noite te convida pra dançar

África mãe, Brasil filho
O leite do mundo habitou as suas tetas
Mamilos perfeitos acalentados de açoite.
Seu ventre, sempre foi livre
Gerando toda a história desse universo mal agradecido
Se ser mãe é dádiva de Deus
Então a África é o berçário onde Ele nasceu.
Suas crianças, dotadas de grande picardia
Lançaram ao mundo variadas culturas.
A noite recente, traz o eco da trilha sonora daquele tempo
Tambores confeccionados pelas mãos arquitetas do mundo.
Metralhadoras, fuzis e armas químicas
Deitarão no seu colo para dividir o espaço com as rosas vermelhas.
Os amores não correspondidos, se contentaram ao seu lado
Corações sujos que me lembram as pedras
Hipérbole da herança maldita, que umedece e goteja em pequenos ventres
Multiplicando a desgraça e mal vivida vida.
Vida que alimenta a feijoada, vida que swinga o carnaval
Vidas de mãos feridas que tocam os instrumentos... Umbanda, candomblé.
Tragam-me a garrafa com o líquido da cultura nordestina
Vou me embriag…

Entrevistado

Alessandro Buzo - Escritor e Ativista Cultural

L.B:Nélida Pinon diz que o papel do escritor é de despertar a ira de uma consciência. Qual o seu papel como escritor?
Alessandro Buzo: Como escritor da periferia o meu papel é incentivar a leitura daqueles que não leêm nada, que na periferia é comum. Logo, ele se identificando com meu trabalho pode mudar isso, tenho amigo que leu O TREM e nunca tinha lido nada, hoje lê varios livros, fico orgulhoso com isso.


L.B:Quando está escrevendo você se preocupa com as técnicas literárias?
Buzo: Não, só tenho o primeiro grau, Deus me deu o dom e escrevo, mas sem preocupações.

L.B:Prosa, poesia, crônica, conto... Qual categoria você se encaixa?
Buzo: Faço crônica e conto, gosto de poesia mas tenho poucas minhas.

L.B:Tem influências literárias?
Buzo: Não, minha influencia é o meu dificil dia a dia, ponho no papel as dificuldades que enfrento.


L.B:O primeiro romance do Sacolinha, Graduado em Marginalidade, está em análise na editora. Você assina o prefác…

Entrevista

Aguardem a entrevista com o escritor e ativista cultural Alessandro Buzo.
literaturanobrasil@bol.com.br

Indicações

Quarto de despejo – Diário de uma Favelada
Maria Carolina de Jesus


“Quando eu não tinha o que comer ao invés de xingar eu escrevia...”
Nesse diário, a autora descreve com conhecimento de causa e alto teor poético-marginal, o seu dia-a-dia na favela do Canindé. Com os seus dois filhos menores, passou por todas as dificuldades de uma vida miserável, e nem por isso entrou na degradação que havia na favela: Prostituição, drogas e fofocas.
Mesmo em meio á dificuldade, nunca deixou faltar comida para os filhos:
- Hoje acordei ás 4h:30 da manhã, busquei água e depois fui catar papelão pra comprar o pão para o café.
Maria Carolina estudou até a terceira série do primeiro grau, sendo assim aprendeu a ler e a escrever fora da escola, sua cultura foi reciclada do lixo.
Uma certa tarde, chegou na favela um jornalista de nome Audálio Dantas, e em meio ao alvoroço de pessoas querendo ser entrevistada, o jornalista perguntou:
- Quem tem algo a dizer?
Maria Carolina gritou firme:
- Eu.
Entrou no seu b…

Acessem

Eventos Culturais

Dia 18/11-Quinta-feira ás 19h:00 - Sarau Negro
MPB – Teatro – Capoeira – Recitação
Local: Sindicato da Construção Civil – Rua Campos Salles – Centro de Suzano – Próximo ao Milharal – Entrada Franca
Realização: Literatura no Brasil e CPD Sócio Cultural Negro Sim
Informações: literaturanobrasil@bol.com.br / (11) 47495744

Dia 25/11-Quinta-feira ás 19h:30 – Bate-papo: Literatura Marginal
Convidados: Alessandro Buzo, Sérgio Vaz, Sacolinha
Local: Ação Educativa – Rua General Jardim, 660 Centro de São Paulo
Informações: centro@acaoeducativa.org / (11) 31512333

Dia 06/12-Segunda-feira ás 19h:00 – Lançamento da antologia “No limite da palavra” Ed. Scortecci*
Local: Livraria Asabeça – Pinheiros
*Sacolinha participa desta antologia com um conto erótico.
Informações: fernandadesa@scortecci.com.br / (11) 30328848

Site L.B

Indicações, entrevistas, eventos e toda a essência cultural do gueto. Essa é a proposta.

Crônica/Conto

Documento de desempregado

Roupa de gente, sem frescura de brinco, sem tatuagem, cavanhaque ou barba. No lugar do desodorante, uma pasta cheia de folhas de sulfite com um preenchimento pobre. Pra fechar o pacote, a fome, que morre depois de dois churrascos grego ou hot-dog, acompanhados de uma água tingida, com gosto de nada.
- Qualquer novidade a gente liga tá?
Será que quando aparecer um “Tornado” eles ligaram?
Aja paciência.
“Vinde a mim todos aqueles que estão cansados”.
Então por favor, todos os que estão sem emprego, formem uma fila para subirem.
Que venham os livros de auto-ajuda, e tirem a coragem daquele que quer se matar, por motivos mil.
- E aí Edson, está indo pra onde?
- Trabalhar.
- Do quê?
- De procurar emprego.
Ó pátria falsa idolatrada pelos fatos. Salve, salve os sem-estima.
Virou cultura. Excelentíssimo Papa, e seus companheiros, façam o favor. Canonizem aquela senhora que morreu na fila do posto de solidariedade e dêem a chance para eles dizerem:
- Ô nossa senhora d…

Literatura no Brasil

O Blog Oficial do Alto Tietê

IV fase

Povo Negro

Vieram da África distante
Jogados em navios negreiros
Cruzando os horizontes
Para um país forasteiro

Foram quatrocentos anos
Viajando nos navios negreiros
Eram jovens, velhos, enfim,
Gente de todo meio

Aqui chegando foram vendidos
Vendidos como mercadorias
Todo seu corpo era vistoriado
E pagavam o que lhes valiam

Trabalhavam, trabalhavam
Manhãs, tardes, e noites,
Não podiam reclamar
Pois logo lhes vinham o açoite

Hoje, os negros descendentes
Vivem numa escravidão disfarçada
Nas miseráveis favelas
Passando fome com as filharadas.

Maria Rivanilda (É moradora do Rio de Janeiro,
e coordena o jornal da ADAB – Associação
dos descendentes de africanos do Brasil)


A pedra

“... procura-se alguém que faça um coração de pedra voltar a ser o que era”.

No subúrbio há um ser humano. Um homem que está indignado e ao mesmo tempo inconsolável. Perdeu a sua família numa chacina e ficou cego de um olho.
Não consegue emprego, não tem na vida um amor, um amigo, não tem televisão, Internet, microond…

O Idealizador

Biografia
Ademiro Alves (Sacolinha), nasceu em 09 de Agosto de 1983, na cidade de São Paulo.
Participou da revista Caros amigos "Literatura Marginal" ato III lançada em Maio de 2004.
Menção Honrosa em 2003 e 2004 na categoria conto do 1º e 2º concurso “Artez” de literatura.
Participa de duas coletâneas: “No limite da palavra” editora Scortecci e “ARTEZ - vol. V” Meireles editorial.
Vice – presidente do CPD – Sócio cultural Negro Sim. Atualmente está desempregado e aguardando a análise final de seu livro:
Graduado em Marginalidade - Um romance com participações de Alessandro Buzo e Sérgio Vaz. Aguardem!

Produtos L.B

Produtos Literatura no Brasil

Camisetas à venda nas cores: Branca – Bege – Amarela - Rosa e Turquesa
Disponíveis nos modelos femininos e masculinos: P, M, G, GG.
Camisa: 10,00 / 13,00
Infantil: 8,00 / 10,00
Blusa: 15,00 / 20,00
Kit: 1 Caros Amigos Literatura Marginal III – 1Camisa L.B – 2 adesivos p/ carro e bicicleta e um livro: 29,90
Todos os produtos terão 30% de investimento no projeto, exceto a revista.
À venda na loja Contacto Sport – fone: 47446831
Centro de Suzano – rua Gal. Francisco Glicério, ao lado da estação de trem,
ou diretamente com o projeto:
47495744 / literaturanobrasil@bol.com.br

Oportunidade!

Atenção

O Literatura no Brasil, está aceitando textos para serem divulgados na “Quinta Fase” do projeto.
Todo texto que o projeto recebe, é analisado por uma comissão literária e se aprovado for, será trabalhado durante quatro meses (Uma fase).
Debates, palestras, rádios comunitárias, eventos, feiras literárias, saraus, encontros sociais, e Internet, são os ambientes onde o Literatura no Brasil divulga os textos.
Áqueles que trabalham com literatura, ou seguem a carreira de escritor, não percam essa oportunidade, são mais de 1.250 leitores cadastrados com o projeto.

Cultura que é nossa.

Apresentação!

Prefácio – Literatura no Brasil

A cultura de apologia à leitura e a vida está crescendo da raiz, e essa raiz chama-se...Literatura no Brasil.
José Louzeiro, Plínio Marcos, Gonçalves Dias, Aluízio Azevedo, João Antônio, Adelaide Carraro, Lima Barreto e Maria Carolina de Jesus. Esses e outros escritores brasileiros fazem parte do trabalho do projeto. Trabalho que para se desenvolver basta ter uma visão do cotidiano.
O projeto cultural Literatura no Brasil, foi posto em prática num momento de revolta, tornando assim um depósito de desabafo não só para o idealizador do projeto, mas sim para todos aqueles que enviam seus trabalhos para serem divulgados pelo Literatura no Brasil.
Dia 1 de Dezembro de 2002, a cultura da periferia ganhou mais um aliado.
Esse projeto conta com uma comissão literária e tem contato com diversos estados.
Desenvolver debates, palestras, saraus, eventos beneficentes de hip-hop e explorar murais são umas das atividades que o Literatura no Brasil mais pratica. Futuram…